Escolha uma Página

Hey pequeno gafanhoto, quero conversar com você sobre o processo criativo.

 

Já aconteceu com você de estar fazendo alguma coisa totalmente aleatória, uma caminhada, um banho, tomando café, enfim, qualquer coisa, e do “nada” aparecer uma ideia na sua mente?

Bom, acredite se quiser, mas essa ideia não veio do nada, de um processo que, mesmo inconscientemente, você realizou.

O nome disso é processo criativo, uma série de etapas que você percorre inevitavelmente para gerar uma nova ideia. E se você quiser saber mais a respeito, continue a leitura : )

 

1 – Identificação do problema

magic-cube-cube-puzzle-play-concentration-colorTudo começa com um problema – lembrando que um problema não apenas algo ruim, mas sim qualquer situação que demande uma solução.

Nós criamos para resolver nossos problemas, sejam grandes ou pequenos.

Então, se você quiser participar conscientemente do processo criativo a primeira coisa a fazer é definir bem o seu problema. Quanto mais tempo e energia você empregar nessa tarefa, mais rápido e mais fácil será para encontrar uma solução.

E é justamente por isso que você tem que fazer a pergunta certa sobre o seu problema, descobrir o que realmente precisa ser resolvido e onde focar a sua atenção. Se não acredita em mim, veja essa citação de Albert Einstein:

“Se eu tivesse uma hora para resolver um problema e minha vida dependesse disso eu usaria os primeiros 55 minutos para formular a pergunta certa, porque assim que eu identificar a pergunta certa eu posso resolver o problema em menos de cinco minutos.”

John Dewey também acreditava nisso e dizia que “um problema bem definido já está 50% resolvido. Por isso, na próxima vez que você tiver que resolver um problema ou precisar encontrar uma solução para alguma situação, gaste um tempo definindo o seu problema e pensando na pergunta certa.

 

2 – Preparação

Agora é o momento de buscar informações e tentar achar as soluções. É o momento de fazer as perguntas “quem”, “como”, “onde”, “porque” e etc. É momento de usar suas técnicas de geração de ideias, é o momento de “encher a cabeça’.frog-926574

Essa busca de informações pode ser direta e indireta. É direta quando você busca informações diretamente relacionadas ao seu problemas. Por exemplo, se deseja criar um novo tipo de motor para o seu carro, você pode estudar manuais técnicos de carros ou consultar mecânicos e engenheiros.

E indireta quando você busca informações em áreas que não estão diretamente ligadas ao seu problema, por exemplo, ainda pensando no seu novo motor, você pode analisar como funciona uma câmera fotográfica ou ainda animais correndo.

O importante aqui é procurar por informações que vão te ajudar a resolver o problema. Muitas vezes não conseguimos achar uma solução simplesmente porque não temos o conhecimento e/ou as informações necessárias para isso.

É nessa fase também que usamos as técnicas de geração de novas ideias, como por exemplo o Brainstorm ou SCAMPER. Dependendo da complexidade do problema, algumas soluções já aparecem nessa etapa.

 

3 – Incubação

Imagem4Porém, dependendo da dificuldade do problema e da quantidade de informações, pode acontecer da sua cabeça não conseguir achar, conscientemente, uma solução.

É nesse momento em que você entra no período de incubação, ou seja, um momento onde você para de pensar no seu problema e para de procurar informações sobre o assunto. Parece contraditório não é?

“Puxa vida, preciso de uma solução, então vou parar de pensar até ela aparecer”

Mas a verdade é que mesmo quando você para de pensar sobre seu problema, o seu subconsciente continua pensando, fazendo associações e tentando juntar as partes com as informações que você acumulou.

Darwin gostava de dizer que teve o vislumbre de sua teoria de repente, em um dia qualquer. Mas estudos posteriores dos seus cadernos de pesquisa mostraram que toda a teoria da evolução das espécies já existia, e estava anotada nos seus estudos. Porém, essas informações não estavam conectadas, e precisou de um tempo (décadas) para que a cabeça do Darwin juntasse as peças e “entregasse” a solução.

Ou seja, a incubação é necessária no processo criativo, principalmente quando você já fez de tudo para achar a solução, está exausto de tanto pensar no seu problema, e mesmo assim, nenhuma boa ideia surgiu.

Mas preciso alertá-lo que a incubação pode ser demorada em alguns casos. Dependendo do seu problema pode demorar horas, dias, meses, anos e até décadas. E como é um passo do processo em que você não tem controle, o jeito é esperar.

 

4 – Iluminação (Eureka)

Assim como a incubação, você tem pouco ou nenhum controle nessa etapa, pois é o momento em que a ideia surge – como num passe de mágica – na sua mente.Imagem3 (1)

A iluminação ocorre geralmente quando você menos espera, e na maiorias vezes, quando você nem está pensando no seu problema. As ideias costumam aparecer quando você vai tomar banho, ou assistir televisão, ou conversar com amigos e etc.

E é por causa da iluminação que muita gente acredita no mito de que as ideias vem do nada ou surgem ao acaso, pois se você não estiver consciente do processo criativo, essa é a única etapa que se percebe.

 

5 – Elaboração

Imagem2Depois que a ideia aparece é hora de organizá-la. Ou seja, criar um planejamento para colocar sua ideia em prática, testá-la, pensar no que pode ou não funcionar.

Quando uma ideia surge na sua cabeça ela vem crua e precisa ser elaborada melhor, de forma que seja possível executá-la.

Eu aconselho a investir um tempo nessa fase do processo porque muitas vezes uma ideia não funciona não por ser ruim, mas por ser mal planejada.

Algumas pessoas não planejam por achar desnecessário ou achar que é uma perda de tempo. Mas o tempo gasto planejando costuma salvar muito mais tempo, energia, e dinheiro durante a execução.

Outras pessoas até entendem o poder do planejamento, mas não o fazem por não saber como. Nesse caso quero deixar um pequeno roteiro com perguntas que você pode responder para fazer um bom planejamento:

– O que eu quero criar?
– Como eu quero fazê-lo? Que ferramentas eu preciso? Se você é um escritor por exemplo, vai precisar de um laptop (ou papéis e canetas se for oldschool), dicionário e etc).
– Quando eu quero que ele (o projeto) termine? Como vou saber se está completo? É importante ter um cronograma de trabalho e estar diariamente revisando.
– O que eu preciso fazer para ficar focado e motivado? O que te ajuda a se concentrar? Música, um aroma específico, ficar offline? Você precisa achar o que te motiva e usar isso a seu favor.
– Quem poderia me ajudar? Quem são os seus apoiadores e quais servições podem te manter produtivo?
– Onde eu gostaria de trabalhar nesse projeto? Se possível trabalhe em um local onde você se sente confortável e criativo, pode ser na sua casa, em um escritório, na mesa da cozinha ou no chão da sala e etc.

Seguindo esse roteiro você provavelmente ficará mais organizado e focado na sua tarefa.

 

6 – Verificação

E por último nós temos a verificação, que nada mais do que verificar se sua ideia funciona de verdade ou não. Se funcionar, ótimo, bora para o próximo projeto. Se não funcionar, é só repetir esse processo até acertar.

Imagem1 (1)

Espero que você tenha gostado. Por favor, compartilhe com seus amigos, e ajude a espalhar a mensagem. Muito Obrigado.

Comments

comments